sexta-feira, 17 de abril de 2009

CENTÉSIMAS-VIGÉSIMAS-SÉTIMAS

Sempre me preocupou o facto de me saber muito bem estar longas horas calado. Sem a intimação da fala. Pensando sem ver. Observando sem pensar. Ocorrendo-me simplesmente ideias, muitas delas que nunca chegaram ao verbo. Sempre me preocupou tanto quanto o prazer que retiro do silêncio. E esse é que é o problema. Vai-se perdendo hoje a liberdade de falar ou estar calado. Quando se opta pelo silêncio é-se tomado de ponta nos convívios, suspeitam de milhentas conjecturas, cada uma mais grave que a outra e, mais recentemente, até nos passam raspanetes por não termos atendido o telemóvel à primeira. Ide bugiar todos!

1 comentário:

JúliaML disse...

:-))

sorri aqui!

nem magina quanto me senti identificada.
sempre necessitei desse espaço :-)